domingo, 18 de julho de 2010

Bram & Vlad e a Copa

Fala, pessoas! Como sempre, dei um bom hiato entre as atualizações, maior do que eu gostaria. Fim de semestre é SEMPRE assim. Mas esse fim foi especial porque... tcham, tcham, tcham... Estou me formando! Do bacharelado em Química, pelo menos.

Formatura à parte, teve a Copa, também. Quem nos segue no Twitter deve ter acompanhado todos os lances de perto. Pra quem não segue, vou fazer um apanhadão geral.

O Bram é inglês, mas seu bisavô era holandês, o que quer dizer que ele torce pelas duas seleções. Ele gosta muito de futebol (é o capitão do seu "time") e sempre torce apaixonadamente. Às vezes até demais. O Vlad é romeno e seu pai é húngaro. Infelizmente, nenhuma dessas seleções foi pra Copa, então, ele passou a torcer pros países mais próximos: Eslovênia e Eslováquia.

Na primeira fase, o Vlad amargou a derrota da Eslovênia pra Inglaterra e sua desclassificação com a vitória dos EUA sobre a Argélia. Claro que o Bram não deixou barato:

Bendita hora que fui comprar uma vuvuzela pra eles...

No outro front, a Holanda se classificou invicta e o Vlad ainda teve o prazer de ver a Eslováquia desclassificar a Itália, num jogo que finalmente fez o vampirinho entender a graça que o Bram vê em um bando de humanos suados atrás de uma bola.

Vlad descobre que futebol pode ser divertido

Nas oitavas, o Bram viu a Inglaterra levar uma surra da Alemanha. Sério, ele ficou numa fossa tão grande que até eu chorei. Foi pior pra mim do que seria nas quartas, mas ainda chegamos lá.

Eu chorei também, cara. Como um bebê.

Dois dias depois, Bram e Vlad novamente teriam seus times se enfrentando. Com a derrota da Inglaterra, o Bram estava duas vezes mais chato. A Eslováquia foi eliminada pela Laranja Mecânica e o ruivinho deixou a tristeza pela derrota da Inglaterra pra trás.

Alegria de uns, tristeza de outros...

O jogo das quartas seria Holanda x Brasil. Cara, foi um jogo tenso pra mim. Por um lado, claro que eu tava torcendo pelo Brasil. Por outro, se a Holanda perdesse, teríamos uma nova fossa do Bram que, com seus quase 11 anos, leva futebol muito mais a sério que eu. A Holanda derrotou o Brasil, como você sabe, e a comemoração do ruivinho contrabalanceou o gosto ruim da derrota do Brasil.

Os Drácula não sabem perder. Fato.

A Holanda venceu o Uruguai nas semifinais num jogo heroico que fez o Bram quase infartar. Daí pra final, ele se aparelhou todo e se preparou para o desafio final contra a Espanha.

Hup, Holland, hup!

Olha, não podemos dizer que a Holanda não tenha lutado. Ela lutou. Lutou boxe, kung-fu e luta livre, mas não teve jeito. No finzinho da prorrogação, a Espanha enterrou as esperanças holandesas e firmou a reputação de eterno segundo lugar dos Van Helsing. É. O momento de glória do Bram ainda está longe, aparentemente.

Deu dó.

No dia seguinte, o Bram quis ir a um restaurante japonês comer um prato que tivesse polvo. Sabem como é, uma forma de catarse. Mas, como o Polvo Profeta não é bobo nem nada, entre uma caixinha de mariscos com o nome do Vlad e uma com o nome do Bram, adivinhem qual ele preferiu?

O polvo sabe das coisas.

Assim, os instintos polvicidas do Bram foram acalmados e todos viveram felizes para sempre.

E foi esse o resumo da Copa para Bram & Vlad. Semana que vem, voltamos à programação. Já tenho alguns capítulos da fanfic escritos e postarei o primeiro daqui a poucos dias. Até mais! o/

2 comentários:

  1. Por mais que eu goste do Bram... é... tipo... não tem como não dizer... CHUUUPA, HOLANDA!!!!!

    [Comentário desnecessário]
    A laranja mecânica virou Kisuco XD
    [/Comentário desnecessário]

    Kissus...
    =^.^=

    ResponderExcluir
  2. Isso, destrua o coração infantil dessa criatura. Sua insensível. u.u

    ResponderExcluir

Comenta que nem gente, que o Vlad tá de olho!