domingo, 4 de julho de 2010

Bram & Vlad Vitorianos - Introdução

Introdução


Histórico do MSN de Abraham Van Helsing IV


3 de outubro

Bessie Bathory - melhor do que nunca (L) diz:
*Saudaaaaaade! Pq vc não apareceu aqui hoje?

Bram diz:
*O Vlad acha que tem um vampiro estranho rondando aqui, em Whitby.

Bessie Bathory - melhor do que nunca (L) diz:
*Q aconteceu?

Bram diz:
*É uma longa história.

Bessie Bathory - melhor do que nunca (L) diz:
*Conta!

Bram diz:
*Estou relendo "Drácula", sabe, do meu xará Bram Stoker. Eu te contei que os Harker venderam aqueles documentos durante uma crise do setor imobiliário? Eu sou descendente direto do Abraham Van Helsing que está no livro e disse isso em voz alta pro Vlad.
*Não foi na melhor hora, porque ele estava jogando alguma coisa no PSP e disse que me faltava o principal atributo dos Van Helsing: o cérebro.
*Eu joguei o livro na cabeça dele, ele derrubou o PSP, deu game over no jogo e a gente começou a brigar.
*De repente, ele parou de falar e disse que tinha sentido o cheiro de alguém estranho. Daí, ele disse que era melhor eu vir pra casa, até ele saber quem é a visita.

Bessie Bathory - melhor do que nunca (L) diz:
*Entendi. A Lucy tah sumida tb.

Bram diz:
*Ela disse que está fazendo um presente de Dia dos Namorados pro Vlad. Provavelmente, está tricotando alguma coisa.
*Mais cedo ela saiu, disse que não queria ficar sozinha no quarto porque estava ouvindo alguém chamar por ela.

Bessie Bathory - melhor do que nunca (L) diz:
*Tiliiiiiiiiiindo ela tricotando. *-* Ela me pediu pra ensinar algumas coisas, depois de ver o suéter que eu te dei. Quer uma boina pra combinar? *-*

Bram diz:
*Hã...
*Não, obrigado.

Bessie Bathory - melhor do que nunca (L) diz:
*Fofo. Amanhã, a gente se fala. ;*


Conversa telefônica entre Abraham Van Helsing IV e Vlad Drácula II
(gravada pelo celular de Van Helsing)

4 de outubro, 02h47min

"Vlad> Alô.
Bram> (sonolento) Vlad, olha as horas. Amanhã a gente se fala.
Vlad> Ei, escuta. É a Lucy.
Bram> O que tem ela?
Vlad> Eu vi ela passando aqui perto de casa, andando de camisola, e fui ver o que houve. Ela tá esquisita, parece que tá hipnotizada. Só que eu não tou conseguindo tirar ela do transe.
Bram> Você tá na sua casa?
Vlad> Em frente dela.
Bram> Espera, então, já vou."


Conversa telefônica entre Abraham Van Helsing IV e Elizabeth Bathory II
(gravada pelo celular de Van Helsing)

4 de outubro, 03h14min
Bram> Alô, Bessie?
Bessie> Você ligando a essa hora, fofo? O que foi?
Bram> Você tá ocupada? Pode vir até a casa do Vlad um pouco?
Bessie> Posso, mas pra quê? Que barulho é esse?
Bram> É a Lucy tentando se soltar do Vlad. Ela tá em transe, mas a gente não consegue tirar. Achei melhor a gente soltar a Lucy, ver pra onde ela quer ir e lidarmos com a pessoa que tá causando o transe. Não tem nenhum adulto que pode ajudar a gente, mas talvez você e o Vlad juntos possam dar um jeito.
Bessie> Tudo bem, já vou.


Vídeo gravado pelo celular de Abraham Van Helsing IV


Bram: "Olá. Meu nome é Abraham Van Helsing IV, e se você está assistindo isso, dei upload no video no YouTube porque fui capturado por algum maníaco, possivelmente um vampiro. (Panorâmica da entrada de um cemitério. Barulho de mar no fundo.) Vejam, estamos no cemitério de Whitby, cidade onde eu e alguns amigos estamos passando o fim de semana com nossos parentes, enquanto nossos pais estão ocupados. Aqueles três são o Vlad e a Bessie segurando a Lucy, que continua lutando pra entrar no cemitério. Pronto, vocês dois. Podem soltar."

Vlad: "Tem certeza que precisa disso tudo?"

Bram: " Eles pelo menos têm que saber onde estão nossos corpos para nos dar um enterro digno."

Vlad: "Por que eu ainda pergunto... OK, soltando."

Bram: "E a Lucy caminha cemitério a dentro. Está indo em direção a um banco. Conhecemos bem esse banco, oh, se conhecemos... Aquele que tem um suicida presumivelmente enterrado sob. Espera. Tem a silhueta de duas pessoas sentadas nele. Eles se viraram e viram a Lucy. É agora."

(A câmera mostra uma escuridão onde algumas silhuetas são vagamente visíveis.)

Voz feminina: "Por Deus, querido, veja! A pequenina se parece com a querida Mina! O que faz aqui, no meio da noite?"

Voz masculina: "Parece em transe. Acho melhor colocá-la para dormir e levar essa pequenina de volta para casa. Não deve ser difícil seguir de volta a trilha do cheiro. Espera. Ela realmente tem o cheiro dos Harker. Seria possível...?"

Voz feminina: "Eu sei que essa última geração deles têm uma menina chamada Lucy, o que é muito gentil da parte deles. Mas pensei que moravam todos em Exeter, agora."

Voz masculina: "Nunca subestime o poder do acaso, querida. Lembra quando calculamos a chance de termos nos conhecido naquela noite?"

Voz feminina: "Bobo. Hum... O vento está mudando. E quem são eles?"

Bram: "Ai, meu Deus, eles nos viram. Vou terminar esse vídeo aqui. Se chegarem muito perto, eu envio."


Vídeo gravado pelo celular de Abraham Van Helsing IV



"Foi bom eu não ter mandado o vídeo anterior para  o YouTube, afinal. Estou aqui em casa, e faço esse registro porque sinto que, se não contar pra ninguém, vou explodir. Os dois no cemitério eram ninguém menos que Vlad Drácula, o avô do Vlad que conheço, e Lucy, em solteira, Lucy Westenra, sua esposa há mais de cem anos.

Sim, é verdade que ele deveria estar morto, por obra dos planos do meu avô, assim como essa Lucy. Mas o que houve foi que eles nos convidaram para a casa que alugaram em Whitby e disseram que tinham uma longa história para contar, e tínhamos o direito familiar de saber.

Aliás, a Lucy (a nossa Lucy) está bem. Acordou do transe pouco depois. Ela estava na casa onde a outra Lucy teve crise de sonambulismo no século passado e parece que se deixou levar pela atmosfera.

O Sr. Drácula e sua senhora foram muito gentis e explicaram que, nos registros que os Harker venderam estava faltando muita coisa. Uma dessas coisas são justamente um diário, um caderninho de apontamentos e várias cartas. Eles entregaram esses papéis para nós e pediram que lêssemos com calma e voltássemos até a casa deles depois. Enquanto isso, não devíamos falar deles a ninguém. Mas Deus, eu preciso falar, é nada menos que a maior novidade do último século! E esse tempo todo, o Vlad achava que não tinha avô!

Vlad e Bessie estão dormindo, porque já é dia, mas eu não consigo. Vou começar a ler os papeis e entender como os dois podem estar vivos."

3 comentários:

  1. *.*
    Adorei o tema!!!!!

    Ainda não tenho opinião formada, vou ter que ler mais um pouco pra isso, mas o que vc postou até agora está show de bola! Continua logo, ou vc vai se ver com meus vampirinhos!!!!

    Kissu...
    =^.^=

    ResponderExcluir
  2. Total apoio para minha pseudo!
    Caramba, ficou muito legal o estilo que você colocou, MSN e celular no lugar de cartas e diários!
    Continua logo ou vai se ver com os vampirinhos da Kate e com os meus!
    bjo

    ResponderExcluir
  3. Valeu, garotas. ^^

    Continuo muito em breve, ainda essa semana. :*

    ResponderExcluir

Comenta que nem gente, que o Vlad tá de olho!