domingo, 24 de setembro de 2017

291 - Exemplo de vida

Ou: Porque Viktor é um canalha.


É verdade que se rebatizar de "Martin" não é uma maneira fantástica de esconder a identidade, mas o Viktor não tinha que ser chato a respeito disso.
Bom, o Viktor não sabe que o Maarten é o meio-irmão mais novo dele, então ele é que está no prejuízo aqui.


---------
Terceiro: Vlad, Bram me disse que você não está treinando a sério. Por isso, arranjamos um vampiro para treinar você.
Vlad: Mas quem...?
Maarten: Adivinha.
Vlad: Não preciso de você.
Maarten: Quieto, pirralho, porque seu pai já esgotou toda a minha paciência.
No dia anterior:
Viktor: Você não acha que é muito qualificado para esse emprego de motorista/piloto particular, V... digo, Drake?
Maarten: *sigh* Tenho meus motivos.
Viktor: É? Como ficar perto de sua família? Não? Devo estar te confundindo com alguém.
Viktor: Quer dizer, você parece ter um sotaque-zinho holandês, ou estou imaginando coisas?
Maarten (em pensamento): Não mate ele não vale a pena ele é da família não mate ele não vale a pena não mate não mate não mate.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

290 - Realidade x Ficção

A resposta a perguntas que ninguém nunca fez.


Caçar vampiros sem licença não é legal. Em nenhum sentido.
Proteção de mercado? Nunca!

-----------------------------------------------
Vlad: Se Bram Stoker escreveu esse livro baseado em documentos reais, por que tem tanta coisa errada sobre vampiros aqui?
Bram: Para proteger o público, oras.
Bram: Se o livro tivesse informações muito reais, as pessoas poderiam tentar caçar vampiros de forma amadora, o que é muito perigoso, sem contar com maníacos que possam querer caçar vampiros em série.
Vlad: E a Associação dos Caçadores obviamente não quer concorrentes.
Bram: Eu nem precisava falar isso, né?

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Dez anos da primeira tirinha desenhada!

Hoje, a primeira tirinha de Bram & Vlad que desenhei faz 10 anos! É essa aqui, ó: http://bramevlad.blogspot.com.br/2008/03/primeirssima.html

Note que a data do blog é março/2008 porque eu comecei a desenhar B&V em agosto de 2007 e postava no Orkut. Só em 2008 que resolvi criar um blog e ir colocando o material que eu já tinha. Muitas tirinhas foram perdidas no processo, porque eu não era lá muito cuidadosa com o blog (quase ninguém entrava).

Mas tem uma sequência de tirinhas que não apareceu nem no orkut, nem no blog: as tirinhas da sequência da Greve. Só a primeira foi publicada. As outras ficaram quase dez anos criando pó aqui em casa.

Para comemorar os 10 anos de B&V, aqui vai essa sequência inédita - desenhada há dez anos e guardada até hoje. Tem alguns outros roteiros aleatórios que foram rabiscados, mas não terminados. Pretendo terminá-los e entregar a vocês de presente de Natal. ;)

É isso aí, parabéns pra nós e obrigada a todos! \o/


OBS: a segunda página está mais escura porque as folhas estavam manchadas, então tive que mexer um pouco no brilho e contraste.
OBS 2: Como vocês sabem, andei tendo que substituir imagens no blog porque o photobucket pirou e começou a bloquear imagens em outros sites. Já consertei todo o Ano 1, e aproveitei para colocar tirinhas que eu não tinha publicado antes por n motivos. Quem quiser, dê uma olhada lá no arquivo de 2008 e divirta-se. ;)

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

289 - Visitantes inesperados (2)

A primeira tirinha faz aniversário depois de amanhã! Que alegria! Para comemorar, vou fazer um post especial ao longo do dia, fiquem ligados! :)

Para hoje, temos dois gêmeos viajantes do tempo encrenqueiros:

Agora vocês sabem pelo que o Brandon estava se desculpando.
Viagens no tempo são estranhas.

---------------
Bram e Vlad ouvem os seguintes gritos e saem correndo em direção a eles:
Grito: NÓS TEMOS QUE VOLTAR PARA CASA!
Grito: MAS NÓS ACABAMOS DE CHEGAR!
Grito: ME LARGA! *POW! FWOOSH CRASH!*
Bram (para Brandon e Vlater): O QUE VOCÊS ESTÃO FAZENDO AQUI?!
Vlad: Não vamos nos livrar deles, vamos?
Bram: Espero que não, agora estou curioso.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

286-288 - Linha de emergência (5 a 7)

OK, prometo que esse é o último post com essas piadinhas bestas. xP



Agora estou curiosa para saber a reação deles também.
----------
Mina (em todas as ligações): Alô. Associação dos Caçadores de Vampiros, como posso ajudar?

Resposta #1: Não, senhor, brilhar no sol não está listado em nossa lista de crimes cometidos por vampiros. Deixe esses caras em paz!

Resposta #2: Não, senhorita, não foi engano. seu namorado foi preso por caça ilegal. Não me interessa se ele fez isso "para não machucar humanos", ursos pardos são animais ameaçados.

Resposta #3: Sinto muito, senhor, mas o Dr. Van Helsing está indisponível para seu código de área. vamos mandar um time local de caçadores assim que pudermos. Oh, senhor, por favor chame-os de "genéricos" na cara deles. Ligue contando o que aconteceu. vou amar ouvir.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

283 a 285 - Linha de emergência (2 a 4)

Oi, pessoal! Ainda estou consertando os links quebrados das tirinhas antigas. Tem hora que as imagens funcionam, tem horas que não, uma bagunça.

O lado positivo é que, assim que eu acabar de consertar tudo, as tirinhas vão aparecer com balões e fontes novinhos em folha, o que dá a elas um ar um pouco menos largado do que tinham.

Por ora, divirtam-se com Mina (tia da Lucy) atendendo mais algumas ligações:



Trabalhar para a Associação é um trabalho duro.
------------
Mina (em todas as ligações): Alô. Associação dos Caçadores de Vampiros, como posso ajudar?

Resposta #1: Senhor, eles são só um bando de adolescentes góticos. Ligue para nós se eles realmente morderem alguém. Mande fotos das mordidas como prova.

Resposta #2: Não, senhorita, seu namorado não foi preso "só porque ele é um vampiro". Invasão de domicílio é um crime sério. Agradeça a seu pai por ter telefonado para nós e namore alguém menos louco.

Resposta #3: Ah, se você quer avaliar o verdadeiro nível de risco desse vampiro, pergunte a ele quando ele realmente matou alguém. Se a resposta é "nunca" ou "há mais de cinquenta anos", ele só está deprê. É chato, mas inofensivo.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

282 - Linha de emergência


(Fiz um bocado dessas tirinhas da linha de emergência, tenham paciência. :P)

Ah, sim, pessoal! O John Gonçalves, sempre gentil, chamou minha atenção para algo que sempre temi acontecer: o photobucket, onde eu postava as tirinhas antes que o armazenamento de imagens do blogger fosse ilimitado, parou de permitir que quem não é premium poste as imagens em outro site, então mais metade das tirinhas postadas aqui estão offline. Vou ter que repostar tira por tira.

A boa notícia é que, com isso, vou poder colocar links para as tirinhas que refiz, e colocar os textos nas descrições, como tenho feito ultimamente.

Tenham paciência, que todas voltarão ao ar o mais rápido possível. Obrigada a todos.

Agora, a tirinha:

Algumas pessoas não conseguem deixar esses vampiros em paz.
Conheçam Mina, a tia de Lucy.

------------------
Mina: Alô, Associação dos Caçadores de Vampiros, como posso ajudar?
Mina: Não, senhor, não caçamos um vampiro por ele ser, como o senhor diz, um "mané patético".

sexta-feira, 7 de julho de 2017

281 - Treinamento de combate

Você sempre sonhou em ver o Vlad apanhando? Então.

Quando perder o medo de quebrar a cabeça do ammigo com um soco.
Ele ainda vai ser capaz de lutar contra o Bram decentemente. Um dia.
------




Bram: Vamos começar o treino, Vlad. Dê um soco em mim.
Vlad: Nem pensar.
Bram: Não seja ridículo. Eu sou treinado. Você sabe que eu aguento.
Vlad: Não.
Bram: Vlad, não temos tempo pra isso. Não estou pedindo para você me dar um soco forte, só um soco.
Vlad: Não.
Bram: *suspiro* Ok, muito bem. Dê um soco nessa vassoura.
Vlad: Por quê?
Bram: Anda logo.
*ruídos de luta por trás de uma porta - Vlad sai voando lá de dentro e bate em uma parede*
Bram: Lição 1: nunca subestime um caçador. Lição 2: nunca permita que ele traga uma arma para a luta. Vamos repetir a lição até você aprender.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

280 - A chave (fim)

Sim, Bram é um trapaceiro. Não, ele não liga.

Olha pra cara do Bram de quem liga.
Esse é o último dia da vida de Vlad em que ele não tinha medo do treinamento de combate

-----------
Lucy: Apesar de você não querer treinar com o Boris, você ainda precisa de um parceiro para manter seu treinamento básico em dia, Bram. O que você vai fazer?
Bram: Não se preocupe, já tenho uma ideia em mente.
Bram: E então, Vlad, como vai o treinamento de combate com o tutor particular?
Vlad: Que treinamento?
Bram: Perfeito!
Vlad: ????

quinta-feira, 22 de junho de 2017

279 - A chave (3)



Analogias de futebol. Todo mundo ama.
-----------
Lucy: E foi isso que aconteceu. Você sabia sobre o centro de treinamento aqui em casa?
Bram: Mais ou menos. Eu achava que ficava na casa do Johnny.
Lucy: *suspiro* Mas e agora?
Bram: Que tal você me ajudar com uma coisinha?
Lucy: Com o quê?
Bram: Você lembra do Boris?
Bram: Ele está vindo treinar, como você sabe, mas precisa de um parceiro. Só que eu não quero ser. Não quero ser líder de campo, quero treinar para ser suporte mágico, como minha mãe.
Lucy: Mas Bram, seu pai e seu avô foram líderes de campo antes de você! É uma tradição!
Bram: Tradições devem servir para nos apoiar, não nos castrar.
Bram: Estudar magia vai me ajudar muito nas minhas pesquisas sobre vampirismo, particularmente aquela sobre a "loucura"*. Infelizmente, aprender magia leva muito tempo e isso quer dizer que nunca vou ser muito bom em lutas físicas. apesar do que a cultura pop diz, você não pode se especializar em tudo, sabe?
Nota da autora: * Isso acontece quando o cérebro de um vampiro morre, mas o corpo continua se movendo por instinto. é irreversível e o mais próximo que vampiros têm de uma morte de causas naturais.
Lucy: Mas... mas... Você é o capitão do time.
Bram: Nem todos os capitães são centroavantes, Lucy.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

278 - A chave (2)

Tom não é um garoto exemplar.
Tsc, tsc, Tom! Esses irmãos mais velhos...

------------
Lucy: Que chave é essa?
Tom: Bom, você sabe que nossa casa é geminada com a dos Van Helsing, certo? E que eles têm um porão enorme?
Lucy: Espera, nós também...?
Tom: Sim! Nosso porão é onde fica o centro de treinamento de sobrevivência dos caçadores de Exeter.
Lucy: Como você conseguiu essa chave?
Tom: Eu roubei quando tinha a sua idade.
Lucy: ...
Lucy: Como a mamãe vive dizendo para seguirmos seu exemplo?
Tom: Tem muita coisa sobre mim que a mamãe não sabe.
Tom (baixinho): Você quer a chave ou não?
Lucy (baixinho): Claro.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Alice e a estátua misteriosa


Ei, gente! Lembram do Clube do Domingo? Aqueles amigos do Bram e do Vlad que são descendentes de outros personagens da literatura do século XIX?

Essa HQ abaixo foi usada na minha pesquisa de mestrado (vocês podem abrir a dissertação no link à direita aqui no blog) e estrela a Shirley e a Shelley, o Watson e a Alice resolvendo um pequeno mistério químico. Resolvi postar oficialmente aqui:










domingo, 28 de maio de 2017

277 - A chave (1)

Pra quem não lembra do Tom, da última vez que o vimos, ele estava conversando com o Vlad: http://bramevlad.blogspot.com/2013/09/176-jonathan-harker.html

"Tom, você sabe que não tenho idade para dirigir ainda, né?"
O que será, o que será...

----------
Lucy: E foi isso que aconteceu, Tom. Eu quero ajudar o Vlad, mas o que posso fazer? A mãe não deixa a gente treinar a sério para caçar antes dos dezoito, mas até lá, o Vlad já vai estar com problemas.
Lucy: O pai até iria deixar, mas ele prometeu pra mãe que não ia quebrar essa regra dos dezoito anos, e não quero que ele tenha problemas por minha causa.
Tom: *suspiro*
Tom: Você já é uma mocinha, Lucy. Tem uma coisa que preciso te mostrar...

domingo, 21 de maio de 2017

276 - Vlad vai à caça (Fim)

...


Agora leiam de novo as perguntas aos personagens futuros. ;)

------------
Lucy: Não entendo, por que o pai do Vlad trata o filho desse jeito? Ele não percebe que isso faz ele parecer um pai ruim?
Bram: Ele não liga pra o que acham. Vlad foi concebido pra ser um refém, Lucy.
Lucy: Um quê?
Bram: O Conde não pode me sequestrar e me usar como refém contra minha família, porque isso poderia causar uma guerra entre vampiros e caçadores. O que ele fez então pra resolver isso?
Bram: Ele teve um filho. E ele faz tudo para que tenhamos pena dele e o aceitemos entre nós. para que terminemos amando-o como parte da nossa própria família.
Bram: Daí, se sairmos da linha... o Vlad paga por nós..
Bram: E ele nem vai ficar livre disso quando for um adulto, porque o pai dele é o mestre da família toda. Ele pode controlar qualquer um que tenha o sangue dos Dráculas correndo nas veias.
Lucy: Isso é horrível! Não tem nada que possamos fazer?
Bram: A questão não é o que podemos, mas o que estamos fazendo.
Bram: O conde cometeu um erro sério aqui, Lucy. Ele queria tanto que o Vlad fosse considerado um de nós, né?
Bram: Pois bem. Mas ele esqueceu que ninguém mexe com um de nós!

terça-feira, 16 de maio de 2017

275 - Vlad vai à caça (3)

Vamos falar um pouco mais de como o pai do Vlad é um cafajeste.

Sério, Viktor, tá tudo errado. Tudo errado.
É um daqueles tópicos de conversa que nunca acabam.
------------------------
Lucy: Bram, tem certeza que ser ensinado pela sua família é saudável para o Vlad? Eu li que caçar juntos é um jeito de vampiros estreitarem relações. Ele não devia ser ensinado pelo pai?
Violet (ao fundo, para Vlad): Você não devia caçar de barriga vazia, é pior assim.
Bram: Ah, como vampiros fazem tudo para evitar caçadores de vampiros, nós somos os melhores instrutores. Tenho certeza que o pai do Vlad fez tudo isso só para nos forçar a ajudar.
Lucy: Que loucura. por que ele não pediu?
Bram: Você consegue ver o conde pedindo um favor para alguém quando ele pode conseguir sem pedir? Acha que ele vai querer dever algo a nós?

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Dia das mães

Sei que já passou da meia-noite, mas o dia das mães só acaba quando amanhecer. u.u

Eu devia à Ellen (mãe da Lucy e do Quincy) uma cena em que ela não estivesse xingando os filhos por algum motivo. ^^"
 
---------
Legenda:
Ellen e Quincy estão misturando algo em uma tigela.
Ellen (em pensamento): "Demorou para eu entender o que Abraham - o que todos eles - estavam tentando me dizer. Mas, no fim, vendo meu filho ser o único a estar comigo nas coisas que eu gostava de fazer, a 'ficha caiu", como dizem. Eu não tinha direito de mandar a Lucy para cozinha. Por que teria o direito de expulsar o Quincy dela? A partir daí, as coisas foram caindo nos seus lugares, e tivemos paz."

sexta-feira, 12 de maio de 2017

274 - Vlad vai à caça (2)

Desculpem, a caçada em si era meio difícil de mostrar nas tirinhas. Eu ainda pretendo narrar por escrito. Divirtam-se com as dificuldades do Vlad enquanto isso.

Vlad chegou a morder alguém, mas entrou em pânico.
Fato.

------------
Lucy: E então, Vlad, como foi sua primeira caçada?
Vlad: Estou com mais sede que antes.
Lucy: Ruim assim?
Bram: Eu disse pro Vlad "sem pressão", mas ele entendeu isso como "Com pressão! Com toda a pressão do universo!"
Vlad: Porque esse é o significado exato de "sem pressão".

sexta-feira, 5 de maio de 2017

273 - Vlad vai à caça

Beleza, vamos continuar com nosso Ano 10. Estavam com saudade do Vlad? Então, que tal verem ele ganhar um presentão de aniversário?

Pai do ano.
O Viktor é só amor. -sqn
-------------
Viktor: Ah, olhe pra você, meu filho. Você acabou de fazer 13. Já é um homenzinho.
Vlad: Hm-hum.
Viktor: Está na hora de você aprender a caçar para conseguir sangue.
Vlad: Hm-hum.
Viktor: E é por isso que, começando amanhã, todos os servos estão proibidos de te dar sangue engarrafado. Boa caçada.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Entrevistas de aniversário, parte 2

Depois daquele especial do dia 20, recebi mais algumas perguntas em todos os lugares que B&V estão postados, e deu para fazer mais uma página de entrevistas! :D

Logo mais tem tirinha novinha em folha. Nas tirinhas do resto do ano, vai dar para vocês entenderem algumas coisas dessas respostas. ;)











E é isso, pessoal! Obrigada pela participação! :D

----------------
Pergunta: "Espera, essa é a Lucy? Lucy é uma vampira? como? por quê?"
Brandon: Já que essa informação é perigosa, precisei fazer uma pequena intervenção nessa resposta. Sim, Lucy, é uma vampira e não, isso não foi exatamente planejado por ela. Tem a ver com o motivo do pai do Vlad querer que ele crescesse no território dos Van Helsing. Tenho certeza que vocês podem ligar os pontos sem ninguém ter que morrer aqui.
Pergunta: "Ei, notei que o Quinto é humano. Ele é humano, né? Como? Você disse que todos os filhos de uma vampira são vampiros."
Brandon: Também vou responder essa. Para fazer as coisas simples e seguras, só direi que é simples. O Quinto é humano porque não é filho biológico da Sra. B. Ele só tem o DNA do Dr. Van Helsing.

Pergunta: "Em que eles acabaram trabalhando?"
Bram: Eu pago as contas com um emprego na Associação dos Caçadores de Vampiros. Depois que eu terminar o doutorado, vou ter uma "ocupação civil" de professor. Eu não queria, mas vou concorrer a presidente da associação.
Vlad: Eu compro e vendo startups. Também tenho minha empresa. Tudo para não depender do meu pai.
Lucy: Já trabalhei em vários bicos, de me alistar no exército a ser repórter investigativa. Não sou boa com empregos fixos.
Bessie: Sou sócia do Vlad, mas fico mais na área das finanças. Sempre achei que trabalhar com ele iria ser difícil, mas ele até que me complementa bem.

Pergunta: A pergunta óbvia agora: Bram, Vlad ou qualquer um, podemos ver algum feitiço impressionante? Não necessariamente úteis em combate, só feitiços que pareçam legais.
Bram: Desculpe, meus feitiços não são impressionantes. Atravessar matéria é o mais difícil que sei.
*Vlad aparece transformado em lobo* - Essa é a magia preferida do Vlad
*Lucy tem bolas de fogo em suas mãos* - Ela adora mágica elemental, especialmente do fogo.
*Bessie tem garras de gelo enquanto neva atrás dela* - Ela é boa em magia climática, particularmente frio

Pergunta: "Só por curiosidade, por que 2030? Por que trazer os personagens dessa data em especial?
Brandon: Ooooo, você não vai acreditar! Eu sei que a artista escolheu esse ponto no tempo porque logo depois que o quatro-olhos... digo... Marty nasce, as coisas ficam feias! Vlad e Lucy casam, e o Vlad faz essa coisa super maneira, e aí o pai dele começa uma "guerra civil" entre os vampiros, então Bram finalmente joga aquele ás que os Van Helsing estavam escondendo por uns 100 anos, e isso dá início à cadeia de eventos que vai acabar causando a...
Brandon: *ahem* Quer dizer, ela não trouxe ninguém de depois de 2030 para evitar que eles digam muitos spoilers. É tudo por hoje. Vejo vocês mais tarde! Ou mais cedo! O tempo é estranho.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Entrevistas de aniversário, parte 1!

É hoje! É dia 20 de abril que Bram & Vlad fazem dez anos de existência! (Edit: por um erro bobo de programação, esse post acabou aparecendo no dia 21. Desculpem. ://)

Para comemorar, estou postando resposta de perguntas que me fizeram! :3 Hoje, estou postando quatro respostas. Depois de amanhã, postarei mais algumas.

Se você quiser que alguma esteja na leva de depois de amanhã, ainda dá tempo. ^^

Sem mais demora...




 
 Obrigada, John Gonçalves, pela pergunta! :D Ah, e um bônus pra vocês: todos os filhos que o Bram e a Bessie vão ter na vida: o Quinto, a pequena Bessie, o Maarten, a Sarah, o Vlad e a Lucy.

---------
Pergunta: "E os filhos? Algum de vocês têm?"
Bram: Nós temos esses dois pirralhinhos fofos e um outro chegando. Bessie e eu decidimos que teremos quantas crianças pudermos sustentar. A menina é a Elizabeth III (chamamos de 'Bessiezinha') e o menino é Abraham V (o Quinto, pra encurtar). O bebê vai se chamar Maarten.
Vlad: Não vou ter crianças ou herdeiros até meu pai parar de ser um estúpido.
Lucy: Digo o mesmo.
Pergunta: Bram, qual é a história por trás dessas cicatrizes (sexy)?
Bram: Não sei se podemos dizer que elas são 'sexy', mas...
Bessie: Elas são, sim!
Bram: É parte de ser um caçador de vampiros. É um trabalho duro. Eu não as apago com magia, como meus pais, para lembrar meus filhos que humanos são mais frágeis que vampiros e precisam ser tratados com cuidado. (Algumas delas são mordidas da bessiezinha, sabe?)
Pergunta: Então Bram como anda o negocio de ser meio vampiro? Seus poderes aumentarão? Você já perdeu o controle alguma vez?
Bram: Está indo bem, obrigado. Meus poderes continuam iguais, mas agora tenho mais experiência com magia e posso fazer muitos truques. Não sei o que você quer dizer com "perder o controle", mas se você quis dizer "morder alguém e beber o sangue", então não. Eu até sinto sede de sangue quando está perto de outra dose do inibidor de vampirismo, mas ela parece mais com a sede de cafeína do que com uma fome terrível e incontrolável.

sábado, 1 de abril de 2017

Perguntem ao Bram e ao Vlad no futuro!

Então, pessoal. Dia 20/04, Bram & Vlad fazem dez aninhos!

Para comemorar, vou abrir uma sessão de perguntas e respostas com Bram e Vlad adultos! :D Vocês podem perguntar qualquer coisa a eles, e eles responderão. :)


 Lá no DeviantArt, os fãs estrangeiros dos meninos já fizeram algumas perguntas (ou, eu devia dizer, a mesma pergunta vááárias vezes. Então, só para vocês entrarem no clima, aqui vai a primeira resposta:




Então é isso! Perguntem!

---------
EDIT: E mil desculpas aos shippers que caíram no primeiro de abril abaixo. xD

Por que estão olhando pra mim desse jeito?

sábado, 25 de março de 2017

272 - Isso (3)

Só pra deixar claro: o 'pt' nos meus arquivos é de 'português', porque também faço as tirinhas em inglês, e preciso diferenciar entre os dois arquivos. Acreditam que já teve gente me acusando de propaganda subliminar? Não é culpa minha que 'pt' é a abreviação oficial de português, cáspita. :P

Mas enfim. Falando de coisas que deixam algumas pessoas irritadas, cliffhanger:


Mwahahahaha
Fim desse arco por enquanto.

---------
Horas de testes oculares invasivos depois...
Bram: Ugh, meu olho dói. E eu nem sei o que aquela última máquina faz.
Bessie: Desculpe! Eu não sabia que seu pai era louco assim! Quer dizer, eu sabia, mas não lembrava!
Bram: Tudo bem, B. Acho que eu só estava assustado. Meu pai tinha que saber cedo ou tarde, foi bobeira minha tentar adiar isso.
Bessie: Mas por que assustados? É só um dos seus olhos.
Bram: Regra número um do laboratório: "Se não souber o que é, trate como se fosse letal."
Bessie: Eu entendo que você está sempre em alerta por conta das coisas assustadoras que sua família enfrenta. Mas calma, você não tem que ser paranoico o tempo todo. Confie em mim e nos seus pais. Além disso, é só um olho. O que pode dar tão errado com um olho.
Terceiro (pensando, enquanto no computador): Hum, que estranho. Nunca vi nada assim antes. Mas preciso ter muita certeza antes de fazer algo mais sério.

quarta-feira, 22 de março de 2017

271 - Isso (2)

Fiquem atentos, vou fazer um anúncio quinta-feira!

Mas não quando você é a cobaia.
Ciência é divertida!
---------
Bessie: Você não sabe por que um de seus olhos tem defeito?
Bram: Não, é sem precedentes.
Bessie: Mas seu pai não saberia dizer...
Bram: NÃO!
Bessie: Por que esconder dele?
Terceiro: Esconder o quê de mim?
Bessie: Oh. Oi, Dr. Van Helsing. Por que um dos olhos do Bram não fica vermelho? Você tem alguma teoria a respeito?
Terceiro: Oh-ho. Nova pesquisa lateral!
Bram: Fantástico, B. Fantástico. Você realmente conseguiu.

quinta-feira, 16 de março de 2017

270 - Isso (1)

Começa o ano 10! E eu tenho uma razão para falar disso, eu juro!

Pra quem não lembra, vejam isso e isso. E leiam o beta de O Dever Chama!

E olhem que coisa linda que me mandaram no facebook:


 Esse desenho superlegal é da Vitória, uma garota muito talentosa (que já foi aluna minha, cof cof).

Depois de andar a manhã inteira na passeata contra a Reforma da Previdência, eu precisava de uma boa notícia dessas. ^^"
------
Bessie: Oi, Bram! Violet disse que você estava aqui tomando outra dose do inibidor.
Bram: É, vi que precisava de mais hoje.
Bessie: Ugh. Esse negócio faz seu sangue cheirar tão mal. Tem certeza que você tem que usar isso? Como você sabe que precisa de mais?
Bram: Ah, é muito fácil saber quando preciso de mais. "Isso" começa a acontecer do nada.
Bessie: Ah. Isso.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

As crianças crescem tão rápido

É isso. Bram & Vlad estão fazendo 10 anos em 12 de abril. Wow.

Vai acontecer um evento muito, MUITO especial nessa época, então, fiquem espertos. A primeira tirinha faz 10 anos no dia 25 de agosto, o que será (assim espero) marcado por outro evento bem especial.

Por hoje, eu só gostaria de tagarelar um pouco sobre a história dos meninos. Estou me sentindo sentimental, não levem as coisas muito a sério.

----

Quando eu tinha mais ou menos 10 anos, eu tinha um personagem muito especial. Uma fotinho dele, que não faz muita justiça ao cara, é essa:


Eduardo era minha cobaia para qualquer experimento mental esquisito que eu estivesse fazendo na época. Ele foi um cientista louco mirim, um personagem à la Zorro na escola dele (com identidade secreta e tudo), um agente secreto/detetive, um vampiro por três dias (e eventualmente o protótipo para meios-vampiros em Bram & Vlad), um comerciante de informações vitoriano (possivelmente minha versão favorita dele) e, agora, ele mais ou menos estabilizou como o cara da TI da Polícia Dimensional. (Curiosidade: o Lauro - estou apresentando o fulano na página do facebook, curte lá - tem um rabinho de cavalo em homenagem ao Eduardo, mas é só o que eles têm em comum.)

Em algum ponto entre "agente secreto" e "vampiro por acidente" (longa história), decidi criar alguma coisa contando a infância dele. Nela, ele e seus amigos eram capazes de entrar em livros que estavam "estragados" (as histórias deles começavam a desaparecer porque alguma coisa estava atrapalhando o plot). Eles tinham que consertar a história para consertar o livro. Soa como um desenho animado, porque FOI inspirado por desenhos animados. Não consigo lembrar muito as histórias que eles visitaram enquanto eu brincava com essa ideia, mas lembro uma. Tenho que lembrar, porque acabou sendo tão importante. Foi quando eles entravam em "Drácula".

Assim, quando criei esse 'episódio' (nunca cheguei a escrever, tudo se passava na minha mente, pra passar o tempo), eu só conhecia Drácula de um filme ruim e da cultura pop. Eu sabia vagamente que a história envolvia um vampiro no castelo dele, seu hóspede infeliz, um caçador de vampiros com um nome engraçado e mocinhas bonitas em algum ponto. Sabendo que esse foi meu ponto de partida faz com que eu me sinta admirada de que funcionou tão bem.

A história era bem simples, como um episódio de 20 minutos de um desenho: Eduardo entra em "Drácula" porque o texto está desaparecendo e descobre que os personagens, por alguma razão, viraram crianças. Ele assume o papel de "Jonathan Harker" (eu não sabia o nome do cara ainda) e visita o Castelo Drácula. Lá, ele conhece Drácula... um garotinho vampiro muito solitário que só quer um amigo. No início, Eduardo fica com pena dele, e eles se aproximam por terem gostos nerds parecidos. O problema é que o Drácula-menino planeja transformar o novo amigo em vampiro, e ele meio que não quer isso. Confusões loucas de verão acontecem e tudo acaba com um Van Helsing criança (e sem nome, porque eu ainda não sabia) invadindo o castelo com a ajuda dos aldeões próximos para salvar Eduardo e seus amigos. O Drácula-menino fica com raiva e jura vingança. O livro volta ao normal, já que agora ele vai crescer e se tornar o vampiro malvado que todos conhecem, e Van Helsing vai crescer para lutar com ele de novo.

Não pensei muito mais nisso na época, já que eu queria mostrar os dois viajando em outras histórias, mas alguma coisa no fundo da minha mente não estava feliz: essa era uma história muito triste e cinzenta. Uma criança solitária, que só queria um amigo, não só não conseguir isso, mas crescer e virar um assassino? Que diabos, cérebro?! Como gosto de revisitar histórias antigas o tempo todo, nos anos seguintes (isso aconteceu por volta de 1999-2000), minha mente voltaria constantemente a essa história, querendo um final mais feliz. O problema é que um final feliz não consertaria o livro. Drácula é mau. Ainda assim, eu continuava criando um final não-canônico alternativo em que Eduardo consegue parar os aldeões revoltados e apresentar Drácula e Van Helsing, fazendo os dois meninos se tornarem amigos.

Essa ideia flutuaria na minha mente por um tempo, e toda vez eu me sentia triste por um menino vampiro ficcional que eu mesma criei. A mente de um escritor é um lugar estranho.

Então, em 2003 (ou 2004? Não lembro), consegui minha primeira cópia de Drácula (está agora com um dos meus alunos, espero que ele goste). Eu não gostei muito na primeira leitura, mas algumas coisas tiveram uma ressonância legal comigo. Depois de um tempo, li de novo e gostei muito mais. Foi nesse ponto que aquela história dos personagens crianças voltou à tona. Eu não tinha muita razão para insistir nela, a não ser o fato que uma parte de mim nunca ficaria feliz enquanto eu não desse àquele vampirinho solitário um amigo. Nesse ponto, comecei a chamá-lo de Vlad (porque chamar um menininho de "Conde Drácula" soa estranho, e eu pensava ainda que o Drácula era o Vlad III), e o menino caçador de vampiros se tornou "Bram" (de novo, "Abraham" era um nome que soava muito velho para um menino, e eu estava tão orgulhosa de mim por descobrir que o nome verdadeiro do Bram Stoker é Abraham Stoker, "Bram" sendo só um apelido). Bram e Vlad. O som disso era legal.




Não sei dizer ao certo quando, mas por volta de 2005-2006, decidi que o "final feliz" alternativo da história do Eduardo, aquela em que o vampirinho e o menino caçador viravam amigos, não aconteceu com os personagens do livro Drácula, mas com seus filhos. Ainda era um pouco trágico, ter dois grandes amigos cujas famílias estavam tentando se matar, mas era muito mais otimista que a história original.

Pelo fim de 2006, eu comecei a querer tanto desenhar uma HQ. Tanto. Eu já tinha feito uns experimentos antes, mas agora eu sentia que queria algo que eu pudesse produzir constantemente. Não uma HQ grande e ambiciosa. Só uma tirinha, talvez, já que eu AMAVA tirinhas de jornal. Minha primeira cobaia foi o Eduardo (como sempre), mas apesar de ele ser sarcástico pra caramba (algo que nunca mudou em sua personalidade), ele não era o tipo que participava de piadas bobas. Depois de fazer uma tirinha com ele e não vir mais nenhuma ideia, decidi usar a personagem que era minha cobaia preferida dessa época: Strix, aquela que me deu meu nick em quase tudo na internet. Ela já era uma personagem exagerada e cartunesca, não devia ser difícil. Dei a ela uma "parceira" (baseada na minha melhor amiga), mas, de novo, isso não foi muito longe. Nesse ponto, eu gostava mais de escrever sobre ela. Pois é, onde então eu poderia conseguir dois personagens sem quase nenhum desenvolvimento, cujos nomes soavam legais juntos (numa vibe meio Calvin & Haroldo)?

Oh.

E foi assim que Bram & Vlad surgiu. Antes de fazer os primeiros roteiros (publicados no meu blog, e abril de 2007), eu passei um bom tempo decidindo como eu deveria abordar essa tirinha. Descartei logo de cara a ideia de fazê-los filhos do Drácula e do Van Helsing pra valer, porque isso era fins de 2006. Eu não tinha nem um computador, usando os da universidade, quando mais um celular que pudesse fazer mais que ligar e rodar o jogo da cobrinha. Eu simplesmente não tinha nenhuma condição de desenhar roupas de época e garantir que eu iria representar com alguma fidelidade o período vitoriano. O mais próximo que eu tinha de fonte era minha coleção completa de livros do Sherlock Holmes.

Mais ou menos perto da época que escrevi esses roteiros, comecei a rabiscar os meninos. Os roteiros indicam que, nesse ponto, eu já tinha decidido os designs deles, mas eu honestamente não sei se descrevi os dois no roteiro primeiro, ou se eu estava descrevendo um rascunho inicial.

Se estiverem curiosos, esses são os primeiros conceitos de Bram e Vlad:



Você vai notar que eles são muito mais próximos de cartuns americanos, o Vlad se vestia como um vampiro mais tradicional e o Bram tinha o cabelo liso. Não mantive esse estilo porque não consegui desenhar consistentemente. Dava muito trabalho e, nessa época, B&V era só um exercício de desenho de quadrinhos, não algo que eu imaginava que ainda estaria fazendo dez anos no futuro.

Outro desenho conceitual, dessa vez mais próximo do produto final:


Você vai notar que Bram ainda tem cabelo liso, seu lenço no pescoço ainda não tem o estilo de "escoteiro" que ele usaria nas primeiras tirinhas e o Vlad ainda tem orelhas pontudas e um cabelo menos punk.

E, claro, tem o "piloto" (a primeira tirinha, uma piada besta que nem sequer é original).


Bram já tem seus pinotinhos no cabelo aqui, para diferenciá-lo de outro personagem meu. Vlad já está no seu design final. Eu não voltaria a usar tons de cinza numa tirinha até o Ano 2, e eu também bani pontilhado, porque MORRA PONTILHADO.

O estilo final acabou sendo muito mais simples, e dei ao Bram um cabelo cacheado para ele ter uma silhueta mais distinta. Era bem mais cacheado nesse tempo.


Eu iria dar um reboot no Ano 1 muito tempo depois, e fiz o livro que pus pra vender há não muito tempo com essas tirinhas. Você pode ver as tirinhas originais do Ano 1 e o reboot na página do facebook. Sério, se quiserem ver tirinhas antigas, lá é o melhor lugar, porque é mais agradável de navegar.

Mas enfim. A história dos meninos mudou quase tanto quanto a arte. Quando eles começaram, como eu disse, eram só personagens quase sem desenvolvimento, duas tábulas-rasas. O objetivo das tirinhas era só "haha, olha que engraçado as conversas deles!". A maioria das tirinhas não tinha nada a ver com vampiros, eram só piadas aleatórias (algumas BEM aleatórias). Comecei a ficar incomodada lá pelo fim de 2008, e foi quando comecei a trabalhar para fazer Bram e Vlad mais próximos do que eu tinha imaginado em primeiro lugar: uma história de dois amigos, e como eles mudam a vida um do outro.

Até o Ano 3, eu mais ou menos ignorava "Drácula" (o livro). Quando eu parava para pensar sobre ele, o máximo que eu fazia era assumir que os ancestrais deles eram uma contraposição à amizade deles, que os dois começaram como amigos, mas deu errado em algum ponto. Lá pelo Ano 3, comecei a planejar as coisas melhor, para que eu pudesse explicar às pessoas como as tirinhas e o livro se relacionavam. O problema é, quando mais eu planejava, menos eu conseguia fazer esse trem de "amizade dando errado" funcionar. Mas eu ainda queria fazer a relação entre Drácula e Van Helsing ter algum tipo de paralelismo com os descendentes deles, então concedi que o livro continuava 100% canônico nas tirinhas, mas havia "cenas secretas" que davam um sentido diferente a certos acontecimentos. Cheguei a começar uma tentativa de escrita aqui nesse blog para explicar essas "cenas ocultas". Tentei fazer isso funcionar com toda a minha força, mas os problemas não paravam de aparecer, e nunca consegui uma forma decente de ajeitar a história como eu queria (é por isso que as tirinhas do arco do Álbum parecem ter um pedaço faltando - eu ainda não estava muito certa de todos os detalhes que precisava para fazê-las).

Chegou num ponto que decidi que os temas de amizade, família e legados em B&V eram mais importantes para mim do que aderir cegamente ao canon do livro. Eu tentei o máximo que pude, mas, no fim do dia, ninguém estavam me pagando para escrever uma fanfic de Drácula totalmente fiel ao livro, que não o contradiz de forma alguma (além disso, o livro é um monte de diários costurados, não tem nada impedindo aqueles personagens de mentir). Eu faço B&V porque eu gosto, e se eu quisesse tomar liberdades com o canon do livro, NINGUÉM PODERIA ME IMPEDIR, HAHAHAHAH.

E é nesse ponto que estamos hoje. Tentei não desfigurar o livro muito, mas não estou tentando encaixar tudo com o canon tão obsessivamente. O fim de Bram & Vlad, agora, é muito mais próximo do que eu imaginei no início, mas muito melhor. Seja em tirinhas, seja nos livrinhos, B&V continua sendo a história da vida de dois amigos, e de como um muda tanto a vida do outro.

Família, legados, pacifismo, aceitação... Bram & Vlad tenta abarcar isso tudo. Mas estou muito, muito feliz que, 10 anos depois, isso ainda é - em vários níveis - uma história sobre um vampiro muito solitário que encontra um amigo meio esquisito, mas muito leal. E tudo finalmente termina bem.